Madonna

Nossa Senhora da Ajuda (ou do Socorro)

Rio Negro PR – Brasil

Relato citado no livro “Os Bucovinos do Brasil… “ de Ayrton Gonçalves Celestino
publicado em 2002, Curitiba – Brasil, pg. 48


A foto, tirada por Werner Zoglauer, mostra uma relíquia da tradição religiosa das famílias emigradas da Bucovina para o Brasil. Trata-se da estátua de Nossa Senhora da Ajuda, ou do Socorro, trazida da região do Böhmerwald, na Boêmia, pela família de Adolf Wolf, quando este emigrou para o Brasil, em 1877, com destino a São Bento do Sul (SC) e depois, em 1885, para Rio Negro (PR).

A estátua, de aproximadamente 40 cm de altura, foi esculpida em 1777, por artista desconhecido, de um único bloco de madeira de lei branca, conservando ainda traços de sua pintura original. A estatueta encontrava-se originalmente em uma pequena capela e esteve sempre sob a guarda da mãe de família. A tradição oral diz que a mãe passava a estatueta para uma de suas filhas e esta, por sua vez, para sua própria filha, sucessivamente. Maria Six Wolf, a esposa de Adolf Wolf, com os quais a estatueta veio do Böhmerwald para o Brasil, entregou a estatueta para a filha Tereza Wolf Seidl, casada com Wenzel Seidl, e esta passou a imagem para Verônica Seidl, casada com Wenceslau Amador Henning. Como Verônica não teve filhas, passou a imagem para seu único filho, Estanislau Seidl Henning, que mantém a posse da relíquia em sua casa até os dias de hoje.

A peça artística foi devidamente tratada contra insetos e submetida a uma limpeza geral de restauro, pelo Serviço de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural da Secretaria da Cultura do Estado do Paraná, em Curitiba (PR), Brasil, onde se acha devidamente registrada e catalogada como peça de caráter histórico e cultural.

É uma relíquia histórica da Comunidade Bucovina de Rio Negro (PR) que há muitos anos vem mantendo a tradição de ter sempre presente esta pequena estátua em todas as cerimônias religiosas solenes da Comunidade, em respeito à tradição e devoção à Santa Mãe da Ajuda, ou do Socorro, cultuada por séculos por nossa gente, desde os tempos imemoriais da Europa.